affiliates free bootstrap template

Simpósio Brasileiro de Informática na Educação

Apresentação e Objetivos

O Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE) é um evento anual promovido pela Comissão Especial de Informática na Educação (CEIE) da Sociedade Brasileira de Computação (SBC). Tem como objetivos divulgar a produção científica nacional nesta área e proporcionar um ambiente para a troca de experiências e ideias entre pesquisadores, estudantes, professores e demais cidadãos interessados, nacionais e estrangeiros. O SBIE teve a sua primeira edição realizada em 1990 no Rio de Janeiro e, desde então, tem sido realizado anualmente. A partir de 2012 passou a integrar o Congresso Brasileiro de Informática na Educação (CBIE), sendo um de seus principais eventos.

O SBIE prioriza trabalhos que apresentem a concepção, o desenvolvimento e a avaliação de soluções que utilizem métodos e técnicas de Computação para promoção da aprendizagem e/ou para solução de problemas em temas ligados à Educação.

Podem ser submetidos artigos completos ou resumidos nos idiomas Português, Inglês ou Espanhol em uma das trilhas a seguir.

Trilha 1: Abordagens Metodológicas e Tecnológicas para Educação Básica e Superior

Coordenadores:
  • Hiran N. M. Ferreira (IFSULDEMINAS) - Lattes
  • Taffarel Brant-Ribeiro (IFSULDEMINAS) - Lattes

  • Esta trilha inclui os seguintes tópicos, sem estar limitada a eles:

    • Tecnologia wireless, móvel e ubíqua em sistemas para ensino/aprendizagem;
    • Plataformas abertas, código aberto, software livre e seus impactos, usos e metodologias em processos de ensino-aprendizagem;
    • Métodos, padrões e repositórios de recursos educacionais digitais;
    • Hardware e plataformas para apoiar processos de ensino/aprendizagem;
    • Arquiteturas pedagógicas para educação remota e a distância;
    • Ambientes, metodologias e sistemas para autoria de materiais didáticos (ex.: Objetos de Aprendizagem e afins) para apoiar processos de ensino/aprendizagem;
    • Ambientes e sistemas para a aprendizagem formal, informal e não-formal;
    • Internet das coisas aplicada ao ensino/aprendizagem;
    • Ecossistemas digitais de aprendizagem;
    • Metodologias para avaliação da qualidade de recursos e tecnologias educacionais digitais;
    • Engenharia de software e gerência de projetos de software educacional;
    • Métodos, padrões e processos de desenvolvimento de ambientes e sistemas computacionais para ensino/aprendizagem;
    • Estratégias e ferramentas para medição e avaliação da aprendizagem;
    • Modelos, técnicas e métodos para medição do uso, adoção e aceitação de tecnologias educacionais.

    Trilha 2: Jogos Educacionais e Tecnologia Inovadora para Educação

    Coordenadores:
  • Marco Túlio Caraciolo Ferreira Albuquerque (Manifesto Game Studio) - Lattes
  • Fernando Pimentel (UFAL) - Lattes
  • Daniel Augusto Monteiro de Barros (UFAL) - Lattes

  • Esta trilha inclui os seguintes tópicos, sem estar limitada a eles:

    • Ambientes/ferramentas para desenvolvimento de jogos/jogos sérios/RV/RA/robótica/Sim para apoiar o processo de ensino/aprendizagem;
    • Ambientes/ferramentas para desenvolvimento de jogos/jogos sérios/RV/RA/robótica/Sim para apoiar o processo de ensino/aprendizagem de pessoas com deficiência;
    • Método, análise, projeto, desenvolvimento e avaliação de jogos/jogos sérios/RV/RA/robótica/Sim educativos;
    • Avaliação do ensino/aprendizagem a partir de jogos/jogos sérios/RV/RA/robótica/Sim;
    • Desenvolvimento de habilidades metacognitivas por meio de jogos digitais;
    • Questões sociais e éticas na aprendizagem baseada em jogos digitais;
    • Mundos virtuais 2D/3D para apoiar o ensino/aprendizagem;
    • Ambientes gamificados para apoiar o ensino/aprendizagem;
    • Método, análise, projeto e desenvolvimento de gamificação para apoiar o ensino/aprendizagem;
    • Avaliação da gamificação no apoio ao ensino/aprendizagem;
    • Engenharia de software e gerência de projetos de software educacional;
    • Métodos, padrões e processos de desenvolvimento de ambientes e sistemas computacionais para ensino/aprendizagem;
    • Projeto, implementação e avaliação de laboratórios online para aulas práticas na educação;
    • Sistemas e aplicações multimídia para suporte ao ensino/aprendizagem.

    Trilha 3: Fatores Humanos em Tecnologia Digital na Educação

    Coordenadores:
  • Tatiana Aires Tavares (UFPEL) - Lattes
  • Isabel Nunes (UFRN) - Lattes

  • Esta trilha inclui os seguintes tópicos, sem estar limitada a eles:

    • Projeto e avaliação de interfaces com foco no ensino/aprendizagem;
    • Visualização de informação em sistemas para ensino/aprendizagem;
    • Design participativo de tecnologias educacionais;
    • Interfaces de hardware e/ou software para educação especial;
    • Design inclusivo em educação;
    • Interfaces multimodais;
    • Avaliação de acessibilidade de tecnologias educacionais;
    • Diretrizes e recomendações de design para a acessibilidade de tecnologias educacionais;
    • Tecnologias assistivas em processos educacionais;
    • Aspectos sociais, motivacionais e afetivos em ambientes computacionais para ensino/aprendizagem;
    • Projeto de aprendizagem e abordagens de formalização para apoiar a perspectiva CSCL;
    • Aspectos teóricos, epistemológicos e metodológicos de CSCL;
    • Uso de mídias sociais em cenários CSCL;
    • Apoio a comunidades de Aprendizagem baseadas na Web com ferramentas CSCL.

    Trilha 4: Sistemas Inteligentes e Adaptativos

    Coordenadores:
  • Anarosa Brandão (USP) - Lattes
  • Diana Adamatti (FURG) - Lattes
  • Giseli Rabello Lopes (UFRJ) - Lattes

  • Esta trilha inclui os seguintes tópicos, sem estar limitada a eles. São bem vindos artigos que utilizem/apliquem inteligência e/ou adaptação para apoiar a educação:

    • Tutoria inteligente e scaffolding;
    • Sistemas baseados em conhecimento para apoiar a educação (ontologias, taxonomias, neuro-simbólico, etc);
    • Serviços web para apoiar educação (SaaS4Edu);
    • Agentes conversacionais para apoiar a educação (chatbots, pedagogical agents, entre outros);
    • Sistemas adaptativos para apoiar a educação (personalização, recomendação, etc);
    • Mineração de dados, texto e web aplicada à educação;
    • Learning analytics;
    • Análise de sentimentos aplicada à educação;
    • Representação e análise de discurso aplicada à educação;
    • Manipulando incerteza e múltiplas perspectivas em ambiente educacional;
    • Recuperação da informação para apoio ao professor/estudante;
    • Modelagem de contextos: modelos de aprendizes, facilitadores, tarefas e processos de resolução de problemas;
    • Aplicações educacionais e dados ligados (linked data);
    • Smart learning environments;
    • Apoio inteligente à tomada de decisões pedagógicas.

    Trilha 5: Pensamento Computacional

    Coordenadores:
  • Amilton Rodrigo de Quadro Martins (IMED) - Lattes
  • Michele Mara de Araújo Espíndula Lima (UFPE) - Lattes
  • Marco Túlio Caraciolo Ferreira Albuquerque (Manifesto Game Studio) - Lattes
  • Fernando Pimentel (UFAL) - Lattes

  • Esta trilha inclui os seguintes tópicos, sem estar limitada a eles.

    • Avaliação do Pensamento Computacional como competência técnica e socioemocional
    • Computação Criativa
    • Computação Desplugada para desenvolvimento de Pensamento Computacional
    • Formação docente para o Ensino de Pensamento Computacional
    • Pensamento Computacional e BNCC no Ensino Fundamental e Médio
    • Pensamento Computacional e Criatividade como competências para o século XXI
    • Pensamento Computacional e diversidade
    • Pensamento Computacional e educação especial
    • Pensamento Computacional e Educação Maker
    • Pensamento Computacional e Empreendedorismo
    • Pensamento Computacional e Transdisciplinaridade
    • Pensamento Computacional no Processo de Aprendizagem
    • Recursos para o Ensino de Pensamento Computacional
    • Teorias e Práticas do Pensamento Computacional

    Trilha 6: Tecnologias na Educação em Computação

    Coordenadores:
  • Carlos Estêvão Rolim Fernandes (UFC) - Lattes
  • Pasqueline Dantas Scaico (UFPB) - Lattes
  • Rozelma Soares de França (UFRPE) - Lattes

  • Esta trilha é fruto da convergência entre duas áreas: a Educação em Computação e a Informática na Educação. Recomenda-se fortemente a leitura do artigo "Tecnologias na Educação em Computação: Primeiros Referenciais", disponível neste link Esta trilha inclui os seguintes tópicos, sem estar limitada a eles:

    • Tecnologias no Ensino-Aprendizagem de Disciplinas da Computação
    • Tecnologias na Aprendizagem Colaborativa de Computação
    • Tecnologias na Avaliação da Educação em Computação
    • Educação em Computação a Distância
    • Aspectos Sociais, Humanos e Econômicos das Tecnologias na Educação em Computação
    • Tecnologias para Inclusão e Diversidade na Educação em Computação
    • Tecnologias na Educação em Computação na Escola
    • Tecnologias na Educação Profissional em Computação
    • Mineração de Dados Educacionais na Computação
    • Objetos de Aprendizagem na Educação em Computação
    • Tecnologias na Gestão da Educação em Computação
    • Realidade Virtual e Aumentada na Educação em Computação
    • Redes e Mídias Sociais na Educação em Computação
    • Jogos e Simuladores na Educação em Computação
    • Tecnologias wireless, Móveis e Ubíquas na Educação em Computação
    • Interação Humano-Computador na Educação em Computação
    • Robótica e Cultura Maker na Educação em Computação
    • Web Semântica e Ontologias na Educação em Computação

    Orientação Aos Autores

    Um artigo de alto impacto no SBIE deve apresentar uma abordagem teórica e empírica com respeito à identificação do problema, o design da solução/investigação, os métodos usados durante a coleta de dados, e uma análise de resultados com base empírica. Recomendamos observar com atenção os procedimentos metodológicos. Para isso sugerimos a leitura dos livros de metodologia editados por nossa comunidade e disponíveis em metodologia.

    As submissões deverão ser feitas em uma única etapa e devem ser realizadas no formato exclusivamente digital, em arquivos no formato PDF, através do sistema JEMS. Todas as submissões devem, obrigatoriamente, seguir o modelo para publicação de artigos da SBC. Algumas normas adicionais devem ser observadas:

  • Os artigos completos deverão ter entre 08 (oito) e 10 (dez) páginas incluindo tabelas, figuras e excluindo as páginas com referências bibliográficas;
  • Os artigos resumidos deverão ter entre 04 (quatro) e 05 (cinco) páginas incluindo tabelas, figuras e excluindo as páginas com referências bibliográficas;
  • Os trabalhos submetidos não devem ter sido publicados anteriormente e nem estar em processo de avaliação ou edição para publicação em outro evento, ou periódico;
  • Cada artigo deverá ser submetido para apenas uma trilha. Os artigos que forem submetidos para mais de uma trilha serão imediatamente rejeitados.
  • No artigo não deve constar nenhum tipo de identificação dos autores e instituições. Ao longo do texto, deve-se também ter o cuidado de omitir qualquer tipo de informação que permita a identificação dos autores, como nomes de projetos e links. Os artigos que possuírem identificação dos autores serão imediatamente rejeitados
  • As submissões que não estiverem finalizadas (com os dados solicitados pelo JEMS e o arquivo correspondente devidamente submetido segundo as regras estabelecidas) serão imediatamente rejeitadas.
  • Avaliação e Critérios de Revisão

    Uma vez que os trabalhos tenham sido aprovados para apresentação e publicação, os autores devem, além de atender as orientações para escrita e submissão do artigo, enviar um vídeo com a apresentação do trabalho com as seguintes indicações

    Sobre os vídeos de apresentação

    • Artigos completos e resumidos: de 05 a 10 minutos;
    • Trazer os tópicos sugeridos na construção do artigo, quais sejam: Identificação e afiliação institucional dos autores, Introdução, Métodos, Resultados e Discussões e Conclusões. Sugere-se que maior parte da apresentação seja dedicada aos métodos, resultados e discussão e conclusões;
    • Os autores são livres para escolher a melhor forma de produzir o vídeo. Entretanto, recomenda-se fortemente que os aspectos visuais e, principalmente, orais da apresentação sejam priorizados. Seja criativo!
    • Os vídeos serão enviados pelo JEMS, junto com termo de anuência para edição e publicação da mídia pela organização do CBIE 2021. Aos vídeos serão adicionadas vinhetas do CBIE 2021 e, futuramente, publicados em ambiente abertos e públicos para a comunidade como forma de expandir o alcance e divulgação dos trabalhos;
    • Algumas recomendações são:
      - Filme com o celular na horizontal.
      - Dê preferência ao formato .mp4.
      - Denomine o arquivo de vídeo com o número da submissão no JEMS, por exemplo, 1234543.mp4.
      - Para enviar o vídeo você pode utilizar qualquer serviço de nuvem (com acesso para edição) e enviar o link no JEMS.
      Para mais detalhes sobre como fazer um bom vídeo leia o Guia de Recomendação para Gravação de Vídeo;
    • Os trabalhos que não tiverem seus vídeos enviados ou em conformidade com as orientações, serão rejeitados.

    Sobre as sessões técnicas virtuais

    • As sessões técnicas de apresentação virtual serão compostas de até 6 trabalhos e organizadas priorizando as temáticas declaradas nos trabalhos e diversidade de autores;
    • As sessões ocorrerão, durante o período do CBIE 2021, a partir de ambiente virtual (a ser definido) por meio de videoconferência, para as atividades síncronas, e fórum, para as interações assíncronas. Ao efetuar o pagamento da inscrição, o participante terá sua credencial de acesso ao ambiente liberada conforme a modalidade escolhida (autor ou participante);
    • A organização compilará os vídeos de cada sessão e os disponibilizará, previamente, para os interessados em participar da sessão, bem como, durante o dia e hora destinados para sua realização;
    • Após a apresentação do compilado de vídeos da sessão (um total de até 60min), será dedicado tempo para a discussão síncrona dos trabalhos. Haverá até 30min para o debate entre autores, coordenador de sessão e plateia por meio de videoconferência. Dúvidas e comentários adicionais, poderão ser feitos de forma assíncrona em um fórum dedicado à sessão;
    • Será obrigatório que, durante a realização da sessão, pelo menos um dos autores do trabalho, preferencialmente aquele que se inscreveu na categoria de apresentador, esteja presente virtual e sincronicamente na sessão a qual seu trabalho foi alocado. Para viabilizar a participação dos autores, a organização do CBIE 2021 ou evento satélite poderá emitir declaração indicando a necessidade de participação do autor. Adicionalmente, a organização poderá solicitar aos participantes indicações de melhores datas e horários para a apresentação.

    • O artigo completo que for aprovado será publicado nos anais do SBIE, desde que:

      1. pelo menos um dos autores efetive sua inscrição no evento no prazo indicado, esta inscrição vale para todas as publicações do mesmo autor;
      2. os autores incluam na versão final seus dados (nomes, afiliações e e-mails, bem como demais informações necessárias ao artigo – ex., citações a outros trabalhos dos autores).
      3. Envio do termo de autorização para publicação.

      IMPORTANTE: Os autores devem fazer o upload do comprovante de pagamento de inscrição, via JEMS, até o dia até a data definida na seção data importantes. A publicação dos artigos nos anais está condicionada ao envio do comprovante solicitado.

      Artigos completos são publicados nos anais do SBIE, disponíveis no Portal de Publicações e Conteúdo Digital da SBC (SBC Open Lib - SOL). Artigos resumidos são publicados no volume de anais estendidos do SBIE.

    Termo de Autorização da Obra

    O(s) autor(es) da obra autoriza(m) a SBC a publicá-la de acordo com os termos da licença Creative Commons Attribution 4.0 International Public License (CC BY 4.0). Dessa forma, fica permitido ao(s) autor(es) ou a terceiros a reprodução, ou distribuição, em parte ou no todo, do material extraído dessa obra, de forma verbatim, adaptada ou remixada, bem como a criação ou produção a partir do conteúdo dessa obra, desde que sejam atribuídos os devidos créditos à criação original. Cópias da obra não devem ser utilizadas de nenhum modo que implique o endosso da SBC.


    Efetuar o download do TERMO DE AUTORIZAÇÃO DA OBRA

    Coordenação do Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE)

    • Ana Marilza Pernas (UFPEL)- Lattes
    • Leomar Soares da Rosa Junior (UFPEL) - Lattes